Skip to: Site menu | Main content

Karate nas Olimpíadas

Presidente WKF - Antonio Espinós

Entrevista com Antonio Espinós Presidente da WKF - 10/06/2009

Antonio Espinós: "Os Jogos Olímpicos são muito importantes para um esporte como o karate, que combina todos os valores que representam. Um dos pontos fortes do karate é o seu valor social."


   Sete são os esportes em campanha para aderir ao programa olímpico para os Jogos de 2016, cada uma apresentou seu programa à Comissão Executiva do COI em Lausanne. Beisebol, golfe, Karatê, patinação, rugby, softbol e squash são os candidatos. Nessa parcela da nossa série sobre cada um dos esportes, o presidente da World Karate Federation Antonio Espinós falou sobre o Karatê e as Olimpíadas.


- Porque é o momento certo para o Karatê participar nos Jogos Olímpicos?
Antonio Espinós: Estamos ainda mais fortes e mais estáveis do que na Sessão COI em Cingapura 2005. Temos progredido muito nesses quatro anos e melhoramos nosso relatórios apresentados ao COI. Estávamos prontos e agora ainda mais prontos ainda em 2009.

 


-Por que as Olimpíadas são importantes para o karate?
AE: Os Jogos Olímpicos são muito importantes para um esporte como o karate, que combina todos os valores que representa. Um dos pontos fortes do karate é o seu valor social. Temos 180 federações e é um esporte que representa as práticas da sociedade de hoje. O problema, hoje, é o reconhecimento social por instituições dos países em desenvolvimento, obter financiamentos por instituições públicas. Apesar de que temos sido capazes de promover o desporto. Você pode imaginar o que aconteceria se nos tornarmos um esporte olímpico, seria aumentar o valor social do karate.


-Qual é a contribuição queo o karatê fará aos Jogos Olímpicos?
AE: Temos uma proposta de elite com 120 atletas, 60 homens e 60 mulheres, de modo que contribuam para a eqüidade de gênero. É um desporto espetacular e atraente e temos muito boa audiência quando temos grandes eventos, como campeonatos mundiais. Karate pode compartilhar um espaço existente nas Olimpíadas, como vôlei ou basquete não precisou de mais espaços. Também é um desporto muito barato. Nós só precisamos de duas zonas competição desportiva, além de áreas de formação, telas e painéis.


-Qual é o ponto chave em relação aos rivais?
AE: Alguns membros COI acham que se karatê entra haveria muitas artes marciais no programa. Sessão do COI em 2005 revelou que esta não era a opinião dos principais membros do COI que foram selecionadas com squash. Isso provou que não têm qualquer problema com o karate, mas nós não poderíamos chegar a dois terços para nos tornar um esporte olímpico. Queremos dinamizar o programa olímpico.


-Qual tem sido a campanha?
AE: Somos uma federação modesta, não temos muitos recursos para fazer uma grande campanha nos meios de comunicação. Mas fomos muito ativos em termos de contato com o [COI] presidente em muitas reuniões. Na Associação de Comitês Olímpicos Nacionais de África, em agosto, vou fazer uma apresentação sobre karate. E nós conversamos com as pessoas na Sportaccord em Denver. Temos vindo a fazer, tanto quanto pudermos, mas sempre seguindo o princípio estabelecido pelo presidente do COI de que o dinheiro que temos deve ser utilizado para o desenvolvimento do desporto, não para a licitação. Eu não acho que eles [membros COI] devem ser muito influenciados pela mídia. Solicitamos ao [COI] presidente uma bolsa para as federações candidatas para compensar esses gastos e reduzir o impacto sobre o nosso desenvolvimento, nós ainda não temos uma resposta. Para serem selecionados não devem tornar-se uma sanção para uma federação.

 

 


-A Federação Mundial de Karate é o único órgão internacional de karaté que é reconhecida pelo COI. Você tem uma plataforma de campanha no tempo que antecede a reunião de Berlim, em Agosto, e em caso afirmativo, o que podemos esperar?
AE: Não, não estamos fazendo nada de especial. Eu estarei fazendo a apresentação para os membros Africanos e não muito mais. Iremos enviar mais materiais para o COI e ser mais ativo neste caminho.


-O que você fez para fazer o karatê se tornar interessante e adequado para as Olimpíadas?
AE: Nós fizemos muitas coisas. Quando fui eleito presidente em 1998 meu programa foi concebido para fazer do karate um espetáculo e de nos prepararmos para as Olimpíadas. No nosso congresso de 2000 que aprovou as primeiras grandes mudanças na regras de competição a torná-lo mais atraente em uma competição. Em jan de2000 as novas alterações entraram em vigor com ligeiros ajustes a partir de 2000 e tudo está funcionando perfeitamente. Também criamos uma nova categoria de cadetes 14-15 anos, mesmo antes do COI estar a argumentando sobre os Jogos Olímpicos da Juventude. Também temos trabalhado na melhoria da segurança dos atletas e sobre as regras de arbitragem. A WKF tem 189 federações nacionais filiadas à organização.


 - A falta de recurso financeiro atrapalha o karate contra federações rivais endinheiradas?
AE: Acho que o importante é que a opinião do COI sobre o desporto é baseada em valores não sobre o dinheiro de cada desporto. O COI tem todos os elementos necessários para conhecer cada desporto. Somos um desporto para as pessoas.


- Você acha que a ausência de escândalos e problemas de dopagem no karatê proporcionar um grande impulso?
AE: Eu posso garantir-vos que somos uma federação muito estável e unida e isso é muito poderoso. 100 por cento do meu tempo no desporto é para a promoção do karate e não para resolver problemas. Karate é um esporte livre de drogas. Nos poucos casos, as substâncias encontradas em análises não foram para melhorar o desempenho dos atletas. Penso que nos últimos anos, a estabilidade da WKF com o mesmo presidente, secretário-geral e equipe a bordo tenha sido capaz de reforçar a imagem de profissionalismo, de amar o esporte e trabalhar para ele.


 - Como você está confiante e você acha que suas chances têm melhorado nos últimos meses?
AE: Eu estou confiante sobre as nossas possibilidades. Seria uma grande lição para o nosso mundo, dinheiro não é tudo. O COI tem uma grande oportunidade para dar a esta mensagem para todos - que o desporto é a coisa mais importante.

fonte: Karate das Meninas - www.karatedasmeninas.com

   Quem demonstrou preocupação foi o Grão Mestre Kim Yeo Jun do Taekwondo, que escreveu um texto sobre a ascensão do karate como modalidade Olimpicae a permanência do Taekwondo no programa olímpico. Vale a pena ressaltar que o Grão Mestre Kim Yeo Jun, no processo eleitoral da CBTKD foi o único candidato que demonstrou preocupação e intenção de criar uma frente de trabalho para apoiar a permanência do Taekwondo nos Jogos Olímpicos, visto que para isso é necessária uma grande e forte influência internacional e isso não podemos negar, Grão Mestre Kim Yeo Jun é o dirigente da nova geração mais bem preparado para esse como para tantos outros desafios.

Apresentamos texto do Grão Mestre Kim Yeo Jun:

Karate nas olimpíadas

" Há alguns anos o Karate tenta conquistar o seu espaço nos Jogos Olímpicos e hoje podemos afirmar que esta conquista está muito próxima. Acreditava-se que o Karate não conseguiria esta conquista pelo fato de existirem muitas Federações e estilos, porém a verdade é que o Karate está mais organizado do que nunca. Em 1993, na Argélia, para adaptar-se às regras do Comitê Olímpico Internacional, a Federation Mondiale de Karate (FMK), também conhecida como World Karate Federation (WKF), absorveu a antiga WUKO, fato este que trouxe um desenvolvimento direcionado à promoção do Karate mundial. No dia 18 de Março de 1999 o COI em sua 109º sessão (Seoul) certificado do COI confirmou o reconhecimento em caráter definitivo da FMK/WKF, de acordo com o artigo 29 da carta Olímpica, como a federação mundial dirigente da modalidade Karate. No Brasil a Entidade Nacional de Administração da modalidade Karate é a Confederação Brasileira de Karate - CBK (representante de 26 Federações estaduais), que está filiada a WKF e vinculada ao Comitê Olímpico Brasileiro-COB certificado do COB, além de reconhecida através da Portaria nº 551 do Ministério da Educação (10/11/1987), portaria do MEC como entidade de direção nacional da modalidade, com competência na área do desporto de sua própria denominação.

Tradicionais indústrias e fábricas de materiais para Artes Marciais já se preparam.
Podemos observar o comportamento e lançamento de novos produtos para o Karate e o que mais chama a atenção é a quantidade de produtos homologados pela WKF, que facilita o acesso e promove a concorrência entre as indústrias resultando em produtos de alta qualidade e preços acessíveis aos praticantes.
Karate Gi (uniforme): Adidas*, Kwon*, Tokaido, Egea Line, Daedo*, Smai*, Hirota, Kamikaze, Shureido, Kamikaze Gmbh, Tagoya, Silent Knight, K.O., Wacoku, LMK, Arawaza, Kaze, Hayashi, Oriente Sport, Prospeed, Budo Nord, Domyos, Laguna Sport, Black Eagle, Nasiro, Matsuru BV.
Caneleira com peito de pé (Azul e Vermelho): Adidas*, Arawaza, Tokaido, Hayashi, Smai*.
Protetor Genital (Masculino e Feminino): Adidas*, Arawaza, Tokaido, Hayashi, Smai*.
Protetor de Mão (Luva, Azul e Vermelho): Adidas*, Arawaza, Tokaido, Hayashi, Smai*.
Protetor Peitoral Feminino (Protetor de Seios): Adidas*, Arawaza, Tokaido, Hayashi, Smai*.
Máscara Protetora: Adidas*, Arawaza, Tokaido, Hayashi, Smai*.
* Indústrias que produzem material oficial WTF para Taekwondo.

Jogos Olímpicos de 2016: uma esperança para o Karate?
"Em 1988, o Taekwondo encontrou os seus argumentos e uma força para fazer lobby… E efetivamente o tornaram olímpico porque souberam adaptar-se ao pedido do Comité Olímpico Internacional (COI). O Karate tinha muito atraso e sofria de uma falta de adaptação ao mundo moderno. As regras estabelecidas à época foram modernizadas em 1996 (os protetores vermelhos e azuis, a diminuição da subjetividade da arbitragem nas ações…) de modo que o grande público compreendesse melhor. O Karate demonstrou uma grande força de adaptação ao mundo do desporto moderno. Em 2005 em Cingapura, errou-se o caminho por pouco em companhia do Squash, o Golfe, o Roller-Skate e Rugby. O Karate não foi reconhecido como disciplina Olímpica por 1 voto (51%). Depois houve outra oportunidade para que o desporto fosse aos Jogos Olímpicos seguintes. Era necessário recolher 2/3 dos votos e tivemos 52%. Desde então os estatutos foram alterados e renovados. O voto traduz a maioria vozes. Hoje, tranquilizamo-nos e esperamos a próxima votação em Copenhagen na Dinamarca em 2009…" Francis Didier, presidente da Federação Francesa de Karate e Disciplinas Associadas (FFKDA).

Congresso da ODEPA (Organización Deportiva Pan Americana) / PASO (Pan-American Sports Organization), com presença de Jacques Rogge, Presidente do COI. A apresentação foi orientada para a candidatura do Karate no programa olímpico de 2016. A apresentação teve a presença de Comitês Olímpicos de 42 países, membros americanos do COI e outros membros do COI convidados.

XIX World Senior Championships: Antonio Espinos (Presidente da WKF), Jean-Laurent Bourquin (Representante do COI) e George Yerolimpos (Secretário-Geral da WKF). Shun-ichiro Okano (membro do COI) e George Yerolimpos (Secretário-Geral da WKF)

Karate solicita participação nas Olimpíadas de 2016.
A Federação Mundial de Karate (Presidente Antonio Espinos), solicitou a inclusão da modalidade Karate nos Jogos Olímpicos de 2016.
Sabemos que alguns líderes esportivos internacionais declararam que há muitas modalidades de combate nas Olimpíadas. Como e o que afetaria ou influenciaria a permanência do Taekwondo nas Olimpíadas se o Karate for incluído em 2016, já que são esportes similares? É notório o interesse e o lobby do governo do Japão para que o Karate venha a se tornar um esporte olímpico e que Tókio seja a sede das olimpíadas de 2016.
Entre sete modalidades, incluindo o Karate, duas serão modalidades olímpicas em 2016, a sede será eleita entre Tókio, Chicago, Madrid e Rio de Janeiro.
A inclusão do Karate pode ser determinada conforme a escolha da sede das Olimpíadas de 2016, se o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidir que a sede será Tókio, a chance da inclusão do Karate é absoluta e se for Madrid a escolhida, o Karate terá grande vantagem, já que a sede da Federação Mundial é localizada em Madrid e o presidente é espanhol.
   Notícias nada animadoras para a nossa modalidade em relação à permanência do Taekwondo nos Jogos Olímpicos e à tentativa da inclusão do Karate nas Olimpíadas, a disputa entre Taekwondo e Karate será mais intensa até a Assembléia de COI, a ser realizada no dia 02 de outubro em Copenhagen, Dinamarca.
Esperamos que os membros dos Comitês Olímpicos internacionais votem a favor do Taekwondo e que o Governo da Coréia do Sul faça o mesmo esforço para que a nossa modalidade permaneça nas Olimpíadas de 2016 ".
Fonte:http://cmktaekwondo.blogspot.com/2009/03/karate-ameaca-permanencia-do-taekwondo.html

   
   Nós do karate sinceramente esperamos e torcemos muito pela aprovação do COI, para que o karate se torne um esporte Olimpico, pois o mundo precisa conhecer esta arte fascinante e que depois de muita batalha, merece participar da maior competição Mundial.

Apoio